Endometriose

Doença crônica, inflamatória, estrogênio dependente que ocorre durante o período reprodutivo da mulher, caracterizando-se pela presença de tecido endometrial , fora da cavidade uterina.

O diagnóstico definitivo da endometriose é cirúrgico, porém a suspeita e o diagnóstico clinico são pontos de partida para o ginecologista desvendar esta enfermidade. As principais manifestações clinicas da endometriose são dor pélvica, a dificuldade em engravidar e a presença de massa pélvica em mulheres na fase reprodutiva, de forma isolada ou em associações. Na presença destas condições é recomendável a investigação da endometriose. O diagnóstico clinico de certeza é difícil. Embora estas manifestações sejam muito sugestivas de endometriose, não são exclusivas desta doença e requerem o diagnóstico diferencial com outras condições: aderências, síndrome do intestino irritável, doença inflamatória pélvica, cistites , neoplasias e outras.

Tratamento:

A abordagem terapêutica da endometriose varia, dependendo da queixa da paciente, dor pélvica ou infertilidade, embora , muitas vezes ,essas queixas estejam associadas. Os tratamentos mais difundidos atualmente são a cirurgia, a terapia de supressão ovariana ou a associação de ambas. Nas pacientes em que a queixa é de dor pélvica , podemos iniciar tratamento empírico com anticoncepcionais orais sem o diagnóstico definitivo, quando a avaliação clinica for sugestiva de endometriose mínima ou leve.Se a paciente não melhorar em três meses ou houver a suspeita de endometriose profunda infiltrativa, podemos usar análogos do hormônio liberador de gonadotrofinas(GnRH), por três meses e após manutenção com anticoncepcionais orais. Se a paciente apresentar recidiva da dor, exame de imagem sugestivo de endometrioma maior que 3cm ou suspeita de aderências, a cirurgia deva ser indicada.

Manual de Endometriose FEBRASGO 2014/2015

Aspectos atuais do diagnóstico e tratamento da endometriose. Andrea Prestes Nácul, Pou Mara Spritzer.